Redes sociais / Reprodução

"Golpista do Tinder": caso investigado no RS se assemelha ao retratado em série da Netflix

Instagram / Reprodução

O israelense Shimon Hayut passou anos conquistando mulheres para aplicar golpes. Sempre com o cabelo bem cortado, usando roupas de grife e aparecendo nas redes sociais dentro de jatinhos e carrões, se passava por um bilionário dos diamantes chamado Simon Leviev. Quando conquistava as pretendentes, o vigarista começava a tirar dinheiro delas.

Instagram / Reprodução

A história, contada no documentário da Netflix O Golpista do Tinder, mostra semelhança com atos que teriam sido praticados por um homem no Rio Grande do Sul: Guilherme Selister, de 27 anos.

Redes sociais / Reprodução

Pelo menos dois casos já resultaram no indiciamento do homem por estelionato, ambos na serra gaúcha, região onde mora e concentra a atuação.

Redes sociais / Reprodução

O gaúcho já teria se passado por nutricionista, veterinário, engenheiro, cardiologista e militar do Exército da Marinha para se aproximar das vítimas. Conforme relatos, Selister teria conseguido obter dinheiro de mulheres que acreditaram em suas histórias.

Antes de começar um relacionamento que parecia sério, ela diz que Selister aparentava ser uma pessoa bem estruturada financeiramente, trabalhando como nutricionista em dois hospitais e tendo consultório e apartamento próprios.

Em um dos casos, Maria (nome fictício) conta ter conhecido o homem em novembro de 2019, por meio do Instagram. Teria perdido cerca de R$ 70 mil com ele.

Mateus Bruxel / Agência RBS

Nas semanas seguintes, uma pessoa que dizia ser o neurologista de Selister teria chamado Maria no WhatsApp para passar informações sobre o que seria o quadro clínico dele. Conforme o falso médico, Selister não teria relação com a família e, por isso, precisava contar com Maria para incentivá-lo a cuidar da saúde.

A vítima, então, passou a bancar todos esses supostos procedimentos que aconteceriam quase que semanalmente. Também tinha que pagar por supostas medicações que ele necessitaria. “Utilizei todo o meu recurso financeiro, fiz empréstimo e pedi emprestado para que ele não ficasse sem o tratamento” relatou.

Conforme Maria, quando o dinheiro acabou, Selister arrumou desculpas para encerrar o relacionamento.

O cliente me passou que sempre esteve à disposição da Polícia Civil e da Justiça para esclarecer o ocorrido e que irá comprovar sua inocência na Justiça. Quanto aos fatos a ele imputados, disse que são descabidos e sem comprovação, e que não recebeu até o presente momento qualquer notificação judicial para dar sua versão dos fatos.

GZH falou com Guilherme Selister, que, porém, preferiu não se manifestar. Direcionou o assunto para o advogado Antonio Arbuggeri. A reportagem enviou uma série de perguntas ao defensor, que enviou a seguinte mensagem:

Antonio Arbuggeri

Advogado de Guilherme Selister

Contraponto

Confira dicas de especialistas para evitar cair em golpes em aplicativos de relacionamento:

⚪  Sempre que for se relacionar através de uma plataforma, busque investigação própria de referência da pessoa. Seja através uma pesquisa no Google, por exemplo, ou através de amigos que possam conhecer essa pessoa; ⚪  Se eventualmente marcar algum encontro presencial com ou sem referência da pessoa, compartilhe a sua localização com amigos ou familiares;

Previna-se

Confira dicas de especialistas para evitar cair em golpes em aplicativos de relacionamento:

⚪  Busque sempre locais públicos nos primeiros encontros; ⚪  Evite pegar carona no primeiro encontro com a pessoa que convida você para sair; ⚪  Nunca envie fotos para pessoas desconhecidas.

Previna-se

Confira outras matérias de Segurança

GOSTOU DO CONTEÚDO?

Acompanhe as últimas notícias em GZH