Anselmo Cunha / Agência RBS

Tempestades tropicais: entenda as diferenças  entre os tipos do fenômeno

Climatempo / Reprodução

A Administração Oceânica e Atmosférica dos Estados Unidos (NOAA), considera que os ciclones, furacões, tufões, tornados e depressões tropicais são tempestades. O que diferencia esses termos é a intensidade do fenômeno e/ou a região que se originam.

Ou seja, são todos fenômenos meteorológicos semelhantes. A classificação é determinada por onde, como e com que intensidade ocorrem.

Luciana Serra / stock.adobe.com

"Tempestade" é um termo geral que abarca todos os fenômenos meteorológicos.

De acordo com classificação adotada pelas instituições meteorológicas internacionais, os ciclones são tempestades severas que ocorrem quando a atmosfera está instável. Eles podem ser definidos como centros de baixa pressão atmosférica que se caracterizam pela movimentação intensa de correntes de ar que convergem das bordas para o centro e que se deslocam em alturas elevadas da troposfera.

Jefferson Botega / Agência RBS

Centro de baixa pressão atmosférica com núcleo quente que não está associado a um sistema frontal. É originado sobre águas tropicais ou subtropicais e apresenta convecção profunda e circulação de vento em torno de um centro bem definido.

Ciclone tropical

Anselmo Cunha / Agência RBS

Centro de baixa pressão atmosférica não associado a um sistema frontal que apresenta características tanto de ciclones tropicais quanto de extratropicais. Em relação aos ciclones tropicais, os subtropicais geralmente apresentam vento máximo mais afastado do centro do sistema, com distâncias maiores que 60 milhas náuticas (111,12 quilômetros).

Ciclone subtropical

JIM WATSON / AFP

Centro de baixa pressão atmosférica que extrai seu sistema energético por meio da energia potencial decorrente de um contraste horizontal na temperatura. Está associado geralmente a um sistema frontal.

Ciclone extratropical

NOAA / AFP

Ainda mais intensos, os furacões ocorrem quando os ventos localizados no Atlântico e norte do Pacífico estão a uma velocidade superior a 119 km/h.  Quando esses fenômenos ocorrem com velocidades também superiores a essa marca, mas são originados no noroeste do Pacífico, são chamados de tufões.

Furacões

Climatempo / Reprodução

A Yakecan, que atingiu o RS entre 17 e 18 de maio, foi classificada, inicialmente, como um ciclone extratropical. 

>>

Bruno Todeschini / Agência RBS

A mudança da Yakecan para tempestade subtropical ocorreu porque a área de baixa pressão encontrou águas mais aquecidas, aumentando a velocidade do vento. Essa classificação é válida para rajadas que alcançam velocidade entre 89 km/h e 119 km/h.

Lauro Alves / Agência RBS

Ainda assim, a tempestade subtropical gera riscos por conta da velocidade dessas rajadas de vento em movimento ciclônico, com giro no sentido horário, podendo causar grandes estragos.

Débora Padilha / RBS TV

A Yakecan causou ventos intensos e chuvas no leste do Estado. Na serra gaúcha, chegou a cair neve.

Lauro Alves / Agência RBS

Com a finalidade de tornar o processo mais organizado, a Marinha criou uma lista com sugestões de palavras em tupi-guarani que podem ser utilizadas para nomear os sistemas tropicais e subtropicais significativos que acontecem no Atlântico Sul dentro da Metarea 5, área marítima de responsabilidade brasileira.

Por que as tempestades são nomeadas?

- Arani (tempo furioso) - Bapo (chocalho) - Cari (homem branco) - Deni (tribo indígena) - Eçaí (olho pequeno) - Guará (lobo do cerrado) - Iba (ruim) - Jaguar (lobo) - Kurumi (menino) - Mani (deusa indígena) - Oquira (broto de folhagem) - Potira (flor) - Raoni (grande guerreiro) - Ubá (canoa indígena) - Yakecan (som do céu)

Lista de nomes em tupi-guarani utilizados pela Marinha

Confira outras matérias da Tempestade Yakecan

GOSTOU DO CONTEÚDO?

Acompanhe as últimas notícias em GZH